De Alfredo Castro a 1 de Junho de 2011 às 22:44
A CAUSA DA GRAVITAÇÃO !!! :::: Vejamos: um “buraco negro”, “engole” TUDO, e suponho que até o que não nos é percebido, ou seja, a matéria na velocidade acima da velocidade da luz, a qual, por isso, transfere-se para um outro espaço interativo (ver “Ciência do Futuro”, nestes comentários). Conforme a sua velocidade, algo dessa matéria é também tragado pelo(s) “buraco(s) negro(s)” atuantes NESTE ESPAÇO INTERATIVO. Como digo em “Ciência do Futuro”, constante também nestes comentários, isso também ocorre no “micro-cosmo”, numa quantidade quase infinita, pois que cada molécula é uma “mini-galáxia”. Assim é formado um fluxo permanente PARA DENTRO DA MATÉRIA, uma espécie de “correnteza” que conduz os corpos próximos. Ora, e a repulsão de antimatéria centro-astral??? Simples: o “buraco negro”, tem como “saída”, uma espécie de “big-bang”, o qual ocorre constantemente no micro-cosmo, na matéria, e até a luz é algo conduzida por essa força repulsiva. Especificamente, as “saídas” dos “buracos negros” estariam nas antimatérias centro-astrais, assim como, no micro-cosmo, nas “micro-antimatérias” subatômicas, para nós, no caso. E como ocorreriam tais fluxo e refluxo? Por atração gravitacional, devida à alta intensidade de matéria trans-espacial, que em parte, “ricochetearia” nas barreiras repulsivas das antimatérias centro-astrais, cósmicas e micro-cósmicas (infinitamente), em diversas direções. Então, consideremos a Terra: 1)os buracos negros do microcosmo material terrestre criam um enorme campo gravitacional multidirecional, sugando também parte da matéria trans-espacial que passa, atraída por eles; 2)a antimatéria centro-astral terrestre despeja em todos os sentidos, a matéria trans-espacial, acompanhada ou não também de antimatéria, oriundas de outros buracos negros, ainda numa velocidade trans-espacial; 3)todos estes elementos provocam um fluxo gravitacional e outro repulsivo hiper-espacial, afetando inclusive toda a matéria e antimatéria próxima, neste espaço (uma espécie de condução); 4)parte da matéria trans-espacial atraída se contrapõe à matéria e à antimatéria que saem, da antimatéria centro-astral, causando um efeito de frenagem e ressonância, e por isso, a repulsão de antimatéria centro-astral desenvolve as características de ser menos abrangente e mais específica que a atração gravitacional. Simples, não? Assim, um buraco negro surge quando múltiplas emanações de matéria e antimatéria trans-espaciais se cruzam em determinada região do cosmo ou do micro-cosmo (isso implica no mesmo fenômeno, também nos supostos “macro-cosmos”, infinitos, assim como nos “micro-micro-cosmos”). Logo, não se trata de “curvar o espaço”: é a matéria e a antimatéria trans-espacial hiper-veloz CONDUZINDO a matéria deste espaço, como se houvesse ínfimos, mas constantes contatos, como a correnteza de um rio a conduzir o que está nele flutuando. Alfredo Manoel de Castro, autor, astrofísico e cosmólogo prático.
Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres