16 comentários:
De Curioso a 30 de Março de 2009 às 19:40
Bem como não houve resposta ao comentário anterior parto do princípio que está mais ou menos correcto...

Cá vem a segunda parte...

A questão de hoje é:

O que acontece quando três bolhas com o mesmo tamanho se aproximam vindas de direccões que façam 120º entre si?

eheh (como diria o Alf)... cá vai...

Quando as três bolhas se encontram a matéria (na casca de cada bolha) tem uma velocidade que apenas tem componente radial para fora... a tendência seria para se juntar no meio das três bolhas...

O que acontece no entanto (parece-me) é que à medida que as bolhas se vão intersectando a matéria vai adquirindo movimento tangencial (devido à intersecção dos campos das cascas das bolhas) e vai começar a espiralar entre as bolhas... Tipo a água a escorrer num esgoto...
Não percebo bem a física dos buracos negros ... mas não é uma coisa semelhante que ocorre em alguns dito "buracos negros"?...

Curioso.

Ps: espero que não esteja assim tão mal...
De alf a 31 de Março de 2009 às 13:21
não houve comentário porque o fim de semana estive em reclusão... na praia... bom local para amadurecer as ideias!

O primeiro, o encontro das duas bolhas, está certo!
Percebeu muito bem uma coisa importante,a resultante do campo na zona de intersecção das bolhas e o moviemtno da matéria que dele resulta.

Quanto ao segundo, talvez lhe falte a noção da dimensão do processo. Dou-lhe uma pista: o raio das bolhas quando se encontram será já superior à dezena de milhão de anos-luz. É que as bolhas nascem muito afastadas umas das outras, assim o determina a probabilidade de a distribuição aleatória das velocidades iniciais gerarem um «vazio» inicial suficientemente robusto para fazer nascer uma bolha.

Em vez de pensar no encontro de 3 bolhas, pense no encontro de 6 - afinal, o processo é isotrópico. Talvez seja mais sugestivo.

Comentar post