Sexta-feira, 23 de Janeiro de 2009

A César o que é de César

 

Queres saber se a distribuição uniforme da matéria é a construção que apenas um Deus pode fazer? É e não é!” Um sorrisito gaiato aflora na face do Mário, contrastando com a pose professoral que tantas vezes assume.
 
Deixa-te disso e explica-te”, a Ana rindo-se.
 
Bem, por um lado...” o sorriso gaiato persistindo, “só um Deus teria paciência para andar a plantar átomos a distâncias certinhas uns dos outros preenchendo tanto Universo; por outro lado, não estás a ver um Deus a agir assim, pois não? Que trabalheira!”, o sorriso a crescer para a gargalhada,Nós, humanos, faríamos uma máquina; um Deus faria as leis físicas tais que assim acontecesse, portanto, isso tem de ser sempre um fenómeno «natural», ou seja, decorrente das propriedades físicas do Universo.Foi-se o gaiato, eis o Professor.
 
Bem, mas com esse raciocínio concluiríamos que não pode existir prova material da existência de um Deus! Pois se um Deus age sempre através das leis da natureza, é sempre a Natureza a causa de tudo e nunca um Deus.”
 
Claro Ana!” O Mário suspende um sorriso como quem espera uma reacção; Luísa e eu aguardamos que a Ana diga alguma coisa.
 
Mas então concluis que Deus não existe?”
 
Que ideia!!!! Sei lá se existe Deus, ou muitos deuses, ou que quer que seja que possa actuar a um nível fora daquilo que constitui objecto das leis da Física!” Mário sorri-se, fico a pensar que construiu toda esta divagação para chegar a este ponto. Luísa inclina-se para a frente, vai intervir:
 
Então, como o Papa, pensas que os domínios da Ciência e da Religião são distintos?”
 
Mário mede o que vai dizer, hesita, decide-se:A Ciência, eu sei o que estuda, mas não sei se a Ciência estuda tudo o que há para estudar. Ou seja, não sei se há coisas que não são acessíveis pela metodologia da Ciência. Coisas que não podemos fazer acontecer em laboratório, fenómenos que não podemos reproduzir. O que não quer dizer que não possamos saber alguma coisa desses fenómenos, mas não é com a metodologia científica que o saberemos.”
 
Não é? Então porquê?”
 
“Porque dependem do observador” respondo impulsivamente. O olhar do Mário devolve-me o que presumi: ele já vivera alguma experiência que as leis da física não podiam explicar. Será certamente interessante averiguar isso, e o Mário parece disponível para tal.
 
Toda essa conversa para dizeres que não sabes como se formou a estrutura em esponja do Universo! Mas tu, Jorge, tens uma explicação, não é verdade?” A implacável Luísa a colocar a conversa nos trilhos.

 

publicado por alf às 19:00
link do post | comentar | favorito
|
9 comentários:
De __gArY__ a 23 de Janeiro de 2009 às 19:34
hehehe como um bom contador de historias sabes manter a curiosidade do leitor..
estou a esperar pela sua explicação para a macro estrutura do universo.
mas enquanto isso surgiu me uma duvida.. essa macro estrutura como a vemos é ilusão passada correto? Explicando melhor quando vemos no céu uma estrela em uma posição tal significa que ela está noutra posição completamente diferente, dessa forma está ilusão que estamos a receber atualmente pode divergir muito de como a macro estrututura se encontra hoje? Para ser mais preciso queria saber se voce tem acesso a informação de mais ou menos de quanto tempo atrás é essa imagem da macro estrutura que vemos hoje.
De alf a 24 de Janeiro de 2009 às 00:09
a imagem que aparece no post anterior, e que claramente ilustra a macroestrutura, estende-se até 1000 milhões de anos-luz; isso significa que o que vemos na periferia da esfera é uma imagem de como essa zona era há mil milhões de anos atrás.

Iso pode parecer muito mas não é - a Terra é 4 vezes mais velha do que isso. As galáxias moveram-se desde então, mas esse movimento faz-se a uma velocidade bem inferior à da luz - elas não se terão movido mais do que a centésima parte do diâmetro das bolhas que aparecem na figura.

Mas também podemos observar zonas muito mais distantes do Universo, donde, portanto, recebemos uma imagem que se refere a um tempo muito mais antigo. Os astros mais antigos que observamos são os quasares, e eles mostram que a estrutura do universo nessa altura seria muito diferente porque os quasares se distribuem igualmente em todas as direcções, não se aglomeram, não formam estruturas nenhumas.

Um abraço
De antonio - o implume a 23 de Janeiro de 2009 às 21:40
Você ainda não explicou o universo e já está a tentar explicar Deus? Estes pecadores são atrevidos...
De alf a 24 de Janeiro de 2009 às 00:16

O mundo das ideias é muito perigoso... os crentes são muito perigosos... os ateus são muito perigosos... a verdade é muito perigosa...

...este post faz parte da história que o livro há de contar, e tem uma razão de ser.
De antonio a 24 de Janeiro de 2009 às 11:43
Espero que fale lá do teorema de Pitágoras...
De Peter a 25 de Janeiro de 2009 às 19:48
"isso tem de ser sempre um fenómeno «natural», ou seja, decorrente das propriedades físicas do Universo.”

Penso que sim, mas tal não implica a existência de Deus, ou deuses. À medida que a Ciência avança, o conceito de Deus passa a ser encarado sob outro aspecto incidindo na consciência e nas virtudes morais, contrariamente ao que se verficava séculos e milhares de anos atrás, em que o Homem, face ao desconhecido inexplicável o atribuia a Deus.
De alf a 26 de Janeiro de 2009 às 11:48
Peter

Pois, o nosso cérebro não suporta o desconhecido, pois ele pode esconder perigos, qualquer perigo. Para «esconder» o que desconhecemos usamos, hoje como há milhares de anos atrás, «Deus» ou o «Acaso» em acontecimentos de baixa probabilidade ou inventamos explicações, como «Energias», normalmente negras ou brancas.

Também usamos Deus para defender teorias morais e impor os comportamentos que pensamos mais adequados à sociedade humana.

Mas, para além disso tudo, há uma questão: o que é que existe que não cabe nas leis físicas? Existe alguma coisa ou não? Podemos descobrir alguma coisa a esse respeito ou só podemos «acreditar» ou «não acreditar» no que outros dizem?

O objectivo deste post é mostrar que explicar os fenómenos físicos não é uma afirmação de que não existe Deus ou qq coisa para além da Física - são duas coisas completamente distintas. Porque há quem esteja sempre a tentar ver nos mistérios da natureza a mão de Deus e pense que tentar explicá-los é tentar provar que não existe.
De Peter a 26 de Janeiro de 2009 às 14:11
"o que é que existe que não cabe nas leis físicas?"

Talvez encontremos a resposta nas enormes potencialidades desconhecidas do nosso cérebro.
De alf a 26 de Janeiro de 2009 às 14:33
Pois é Peter, é isso mesmo, há aí um imenso universo desconhecido...e sabe-se lá se portas para outras coisas, como os gregos pensavam... eu diria mesmo que dentro de cada cabeça há mais universo para explorar do que fora dela...

Comentar post

Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.

.ATENÇÃO: Este blogue é um olhar para além das fronteiras do Conhecimento actual. Não usar estas ideias em exames de Física do Liceu ou da Universidade.

.pesquisar

 

.posts recentes

. paciência, muita paciênci...

. Listem

. A Self-similar model of t...

. Generalizando o Princípio...

. Generalizando o Princípio...

. O Voo do Pombo Correio

. A Relativistic Theory of ...

. Como modelar uma nova teo...

. A Relativistic Theory of ...

. Abstract

.arquivos

. Março 2012

. Julho 2011

. Março 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds