55 comentários:
De gary a 18 de Novembro de 2009 às 19:39
Concordo com a dificuldade teorica de um modelo baseado um "zoologico de particulas", mas um modelo baseado apenas numa unica entidade para dar origem a tudo que conhecemos é uma teoria muito elegante, porem ao se querer explicaçoes mais detalhadas esta tambem revela grandes obstaculos na minha visao.

Mas achei fascinante esse paragrafo que fala do parametro que Eistein usou como 1 e que na verdade é quase isso. Pois eu também tenho um modelo muito rudimentar em que tinha feito o mesmo raciocinio, só que no meu caso o parametro era a velocidade da luz que não seria absoluta, mas creio eu que tu foste por outro caminho..
De alf a 18 de Novembro de 2009 às 22:57
Gary

Não é fácil explicar as coisas a partir do «meio»... mas parece possível. Ao contrário, a partir do «vazio», parece impossível. O que a análise dos factos aponta é a existência do meio, o conceito de «partículas e espaço vazio» apenas reside na nossa cabeça, é mais fácil raciocinarmos sobre ele porque é o que corresponde à nossa percepção empírica macroscópica. Como estarmos no centro do Universo ou sermos um «corpo rígido». Tudo percepções ilusórias.

Quanto à velocidade da luz, como o Einstein, só preciso de saber que não depende da velocidade da fonte; a diferença para ele é que eu sei calcular o valor desse parâmetro enquanto ele arbitrou o valor. Mas eu tive de pensar muitos anos sobre o assunto em cima do trabalho dele, não é por ser mais esperto, apenas por ter vindo depois e poder acrescentar um passo aos passos que ele deu.

Mas nem vou falar disso agora nem adiantaria: se as pessoas nem preceberam o problema, como podem perceber a solução? É por isso que vou começar por outro lado, pelo problema da escala, que se resume ao seguinte: se tudo tivesse o dobro do tamanho, notariamos alguma diferença ou as leis físicas seriam as mesmas e as constantes teriam o mesmo valor?

Comentar post