55 comentários:
De alf a 17 de Novembro de 2009 às 15:18
Exactamente!

O que me traz de volta à questão da Infalibilidade.

Afinal, ela não é uma exigência dos crentes, como eu disse, ela é necessária para que o «chefe» possa gerir.

As pessoas numa hierarquia são motivadas para contestarem quem está acima, para o desalojarem e ocuparem o seu lugar; quem está no topo tem de ter um estatuto tal que o proteja dos ataques dos que se lhe seguem ou não conseguirá gerir.

E isto mostra porque é que as democracias presidencialistas parecem resultar melhor que as parlamentares: se houver vários candidatos, há uma segunda volta entre os dois mais votados para decidir quem vai governar. E quem ganhar é quem governa.

Um governo «minoritário» não pode governar; pode talvez aguentar-se no poder, à custa de muitas cedências e desgoverno; mas dificilmente governará com eficácia. a não ser que a situação seja tão má, tão má, que os outros partidos de modo algum queiram responsabilidades de governação...

As regras do sistema parlamentar talvez tenham de ser alteradas, sob pena de que estes regimes deixem de contar; porque os regimes que mandam no mundo acabam por ser aqueles em que quem é eleito tem mesmo poder para governar; os regimes parlamentares vão-se limitar a fazer a transcrição local das leis decididas pelos outros...
De antonio - o implume a 17 de Novembro de 2009 às 15:54
O chefe é muito incompreendido... precisa de toda a fé para se salvar

Comentar post