23 comentários:
De alf a 8 de Novembro de 2009 às 01:08
anonimodenome

subtil o teu comentário - todo o corpo é rígido se comparado consigo mesmo; precisamos de ser capazes de comparar em duas situações diferentes. Mas isso não é fácil, precisamos de uma teoria da qual possamos deduzir consequências que nos habilitem a conclusões.
De gary a 8 de Novembro de 2009 às 16:37
Opa perdão por adiantar o tema.

Mas ainda me resta umas dúvidas Eistein defendia o que afinal?

Os corpos serem rígidos ou não-rígidos?

Li em algum lugar que você quer ouvir críticas e não elogios.

Pois bem estou esperando ler alguma coisa que eu discordo para poder críticar porque até agora quando eu comparo a física moderna com suas idéias opto por acreditar na simplicidade e ambos sabemos qual das duas é infinitamente mais simples hehehe
De alf a 8 de Novembro de 2009 às 18:39
O Einstein desenvolveu um modelo matemático em que a unidade de comprimento é o comprimento de uma «measuring rod», uma vara. Ele não presume que a vara seja invariante, antes pelo contrário, ele tem textos onde explica o espaço como sendo uma noção que resulta da justaposição dos corpos e explica a curvatura do espaço como o que acontece quando temos um chão de mosaicos de um material que dilata com o calor e sofre aquecimentos aqui e ali.

O modelo matemático do Einstein prescinde de um «meio» como prescinde de saber se os corpos são rígidos ou não. Porque essa é exactamente a caracteristica da Relatividade: se fizermos as contas como se fossemos um observador invariante no centro do universo, nomeadamente presumindo que a velocidade da luz é constante em relação a nós, as contas dão certo.

Só que isso não significa nem que os corpos sejam rigidos nem que o meio não exista nem que a velocidade da luz seja constante em relação a nós. Essa é apenas a ilusão que esta propriedade sustenta.

O Einstein defendeu que existia um meio, que associou ao conceito de campo.

Em resumo, uma coisa é um modelo matemático que nos permite fazer umas contas e dar certo; outra coisa é um modelo físico, que tem de ser consistente com a totalidade do conhecimento. O Einstein nunca confundiu as duas coisas e daí os seus conflitos posteriores com a comunidade científica que achava que se um modelo matemático correspondia às observações, esse modelo era a «realidade».

Comentar post