47 comentários:
De antónio -o implume a 22 de Outubro de 2009 às 22:10
Voltámos ao teorema de Pitágoras!

A abordagem do Abstract segue a mesma teoria de Saramago, embora de forma mais suave. Nada como começar por dizer que tal paper só pode ser escrito porque as fogueiras da inquisição já se apagaram...

Gostei da ideia de que a teoria do corpo rígido está para os dias de hoje, como o geocentrismo esteve para o passado. Já me parece pouco subtil a referência ao facto de não se conseguir sentir que a terra se move. Isso é verdade no nosso dia a dia, mas é medível e verificável com a nossa métrica de corpo rígido e a parir da terra...
De alf a 23 de Outubro de 2009 às 13:14
amtónio

as fogueiras da inquisição já se apagaram mas acenderam-se outras. O que alimentava as fogueiras da inquisição era o horror ao pensamento diferente e a defesa dos interesses instalados. Isso é de todos os tempos.

Eu estou mais como o Copérnico: publicar quando estiver a salvo... no leito de morte.

em relação ao movimento da Terra só podemos medir o movimento de rotação a partir de experiências locais; o movimento de translação não é mensurável, se o fosse a teoria da relatividade estava errada. stá certa a minha frase, embora possa escrevê-la com mais cuidado para evitar raciocínios precipitados
De antonio - o implume a 23 de Outubro de 2009 às 14:06
Obrigado por ter classificado o meu raciocínio de precipitado ...
De alf a 23 de Outubro de 2009 às 14:44
Nada disso! O seu raciocínio é uma indicação importante. quando escrevi o abstract tive mesmo essa hesitação. Porque quem for ler vai presumir que eu sou ignorante, as pessoas presumem sempre isso em relação a quem não tem um estatuto de «credível». Ora eu tenho de escrever para não ser mal-entendido por pessoas que me vão ler à procura de tudo o que possa ser sinal de ignorância.

Por isso é que eu estou a pôr esta minuta de artigo, ou pelo menos partes dele, no blogue: para colher este tipo de feedback, saber se se consegue perceber o que digo e até que ponto pode ter interpretações que não me convenham.

Obrigado pois pela sua preciosa colaboração. É de críticas que eu preciso, muito ou pouco fundadas, não de elogios!
De antónio -o implume a 23 de Outubro de 2009 às 23:00
Só quem se sente ignorante busca. Quem já sabe dá-se por satisfeito e não parte na aventura da descoberta.

Eu gosto de elogios.

Comentar post