Quinta-feira, 16 de Julho de 2009

A Trajectória Solar

 

 

Agora vamos ver umas características curiosas das galáxias. Para começar, sabem qual é a velocidade da nossa Galáxia em relação ao ruído de fundo Cósmico, ou seja, o que eu chamo a velocidade absoluta da Galáxia? E a velocidade do Sol em relação ao centro da Galáxia, sabem qual é?

 

Bem... sei que a velocidade da galáxia anda pelos 500 km/s... mas não sei ao certo...

 

Pois, a tua cabeça não é exactamente a Wikipedia!dispara jovial a Luísa

 

Boa ideia, vamos à Wikipedia ver. Aqui está, na janelinha à direita: velocidade da Galáxia 552 km/s... velocidade de rotação da galáxia entre 210 e 240 km/s... velocidade do Sol em relação ao centro galáctico 220 km/s... Ah, e aqui está uma coisa interessante, o Sol move-se no sentido oposto ao do padrão em espiral da galáxia!

 

No sentido oposto? Como é isso possível?”

 

A espiral não é um braço de matéria a mover-se, é algo muito diferente de que falarei mais adiante; para já, vamos analisar as velocidades do Sol e da Galáxia. A velocidade da galáxia é mais do dobro da velocidade de rotação do Sol, o que significa que a trajectória absoluta do Sol (em relação ao RFC) é uma linha aberta, uma ciclóide. Tenho aqui uma figura, querem ver:”

 

 

 

 

 

 Mas isso é quase uma linha recta!Exclama a Luísa.e 10 elevado a 18 em km é quanto em anos-luz?”

 

São 100 000 anos-luz, é quanto vale cada divisão desse gráfico. Pois é, em relação ao ruído de fundo é quase uma linha recta; e se te lembrares agora da figura que já mostrei com a intersecção de duas bolhas... deixa abri-la de novo... aqui está:

 

 

 

 

“...percebes que o movimento do Sol é o movimento da matéria na zona de intersecção a oscilar entre uma casca e outra, tipo ping-pong, e a deslocar-se para fora, empurrada pelo crescimento das bolhas. A velocidade média da matéria é a das bolhas, não é devida ao campo galáctico, e a distância ao centro galáctico resulta apenas da posição da matéria na casca, não tem nenhuma relação com a sua velocidade.”

 

Observam todos em silêncio. Mais uma vez, percebo que a Luísa e a Ana aguardam o veredicto do Mário. Finalmente, este pronuncia-se:

 

Se é como dizes, então a velocidade das galáxias reflecte a velocidade de crescimento das bolhas e não pode ser uma qualquer; todas as galáxias geradas no mesmo anel de intersecção teriam de ter a mesma velocidade «absoluta», como lhe chamas.

 

Exactamente Mário, só a direcção variaria. E mais: o conhecimento da velocidade da Galáxia permite-nos traçar com precisão a história passada do Universo e determinar o valor desse parâmetro tão difícil de medir que é a densidade da matéria no Universo.

 

Sim, mas não respondeste à minha pergunta: a velocidade das galáxias do mesmo anel é a mesma ou não?

 

Eu não tenho dados sobre isso, mas se não fosse assim, a distribuição das galáxias no espaço não poderia configurar anéis, não é verdade? Nós observamos a disposição das galáxias em anéis até distâncias de milhares de milhões de anos e essa disposição não poderia manter-se neste tempo todo se as velocidades das galáxias do mesmo anel não fossem aproximadamente radiais e iguais.

 

Então, e as galáxias que convergem para o Grande Atractor?A Ana desconfiada.

 

São galáxias de anéis diferentes; os anéis vão intersectar-se todos por sua vez, originando uma nova estrutura espacial, mas isso é assunto mais para diante.”

 

Mas o que disseste não impede que o campo galáctico não vá acelerar a matéria, determinando velocidades relativas mais altas para a matéria mais próxima, como acontece no sistema planetário.”

 

Mário, repara na figura da zona de intersecção: a matéria duma casca vai ficar sujeita ao campo da outra, que lhe é quase perpendicular; o efeito é mudar a direcção da velocidade em relação ao centro galáctico mas não altera significativamente o seu módulo em relação a este. Claro que há parte da matéria que vai deslocar-se mais na direcção do centro e esta vai ser acelerada. Mas isso é o que observamos nas galáxias, onde a velocidade da matéria junto do centro já não é constante.”

 

O Mário queda-se meditativo, a olhar para a figura; eu continuo: “Nota que eu não sei explicar tudo, por exemplo, não sei ao certo como se fracciona a distribuição da matéria, não sei se já está fraccionada quando se dá a intersecção ou se é depois disso, se a galáxia resulta de matéria só duma casca ou se a matéria da bolha maior domina o fenómeno e determina o sentido de circulação, sendo os diferentes tipos de galáxias uma consequência das diferentes relações entre as bolhas que as originam...”

 

A silenciosa mas atenta Ana interrompe-me, com ar de dúvida:

Mas ainda não estou a perceber porque é que o comportamento da matéria há-de ser diferente na galáxia e no sistema planetário porque, no fundo, ambos resultam de uma condensação de uma nuvem de matéria.”

 

Ahh, mas aí é que estás muito enganada Ana, os dois processos são completamente diferentes e, na verdade, nenhum resulta da condensação de uma nuvem de matéria. A galáxia resulta de matéria apanhada numa intersecção de campos; o sistema planetário resulta de algo completamente diferente do que pensas, algo...

 

A impulsiva Luísa interrompe-me:

 

Antes de passares adiante, ainda te falta explicar uma coisa, essa história da espiral da Galáxia rodar ao contrário do Sol!

 

Ah, mas é para já Luísa!

 

 

publicado por alf às 19:04
link do post | comentar | favorito
|
4 comentários:
De manuel gouveia a 17 de Julho de 2009 às 10:47
Muito interessante este post.

Nunca estamos parados, existe sempre um ruído que nos envolve. O que eu não sabia é que nos podemos deslocar a favor ou contra esse ruído! A que velocidade me desloco em relação ao ruído que me rodeia? Não sei! Só sei que na minha capacidade de abstracção o consigo anular, até mesmo eliminar.

Sou assim mais poderoso que todas as galáxias, estrelas e até o nosso sol, que apesar de rodar em sentido contrário, também não lhe consegue escapar!
De alf a 21 de Julho de 2009 às 14:58
Profundo esse comentário!!!!

Mas será que consegue mesmo deslocar-se contra o ruído que o envolve?

E o preço a pagar?

as vozes dos outros são modulações desse ruído e eles só ouvem essas modulações; só ouvem a nossa voz enquanto modulação do ruído que os envolve e se falamos fora dele não nos entendem.

Na sociedade humana, há vários «ruídos de fundo»; eu procuro dizer umas coisas modulando um deles, depois modulando outro... mas não estou certo que alguém que não viva no meu ruído me possa entender...
De manuel gouveia a 21 de Julho de 2009 às 15:26
É quando tentamos salvar o mundo que ficamos presos no seu ruído!
De anonimodenome a 24 de Julho de 2009 às 02:32
felizmente o Sol parece saber para onde vai quase a direito.
nós é que estamos de cabeça tonta de tanto rodopiarmos em torno dele.

a imagem do percurso do Sol em relação ao RFC ainda não a tinha visto em outro lugar.

Comentar post

Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.

.ATENÇÃO: Este blogue é um olhar para além das fronteiras do Conhecimento actual. Não usar estas ideias em exames de Física do Liceu ou da Universidade.

.pesquisar

 

.posts recentes

. paciência, muita paciênci...

. Listem

. A Self-similar model of t...

. Generalizando o Princípio...

. Generalizando o Princípio...

. O Voo do Pombo Correio

. A Relativistic Theory of ...

. Como modelar uma nova teo...

. A Relativistic Theory of ...

. Abstract

.arquivos

. Março 2012

. Julho 2011

. Março 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds